Virgindade

Dias atuais…

Oi, meu nome é Natasha, tenho 25 anos, sou estudante de Odontologia, modelo nas horas vagas e faço sexo por dinheiro… eventualmente.

Moro em Florianópolis. As boas línguas, e as más também, falam que aqui é a Ilha da Magia. Elas estão certas. Aqui é onde tudo acontece.

Você irá viajar em minhas aventuras sexuais, vou descrever tudo nos mínimos detalhes, para que você se sinta o real protagonista e, no final, fique querendo mais… você é um privilegiado, porque sempre terá mais.

Moro com meus pais. Por conta dos meus horários apertados, não trabalho, apenas estudo, e, bem… faço sexo, como você já sabe. Moro no Norte da Ilha, mais ou menos 30km do centro. Todo dia de manhã pego ônibus para a faculdade, aliás, tive aventuras no ônibus também (mas essa vai ficar para o momento certo de contar). Meu pai é empresário no ramo culinário e minha mãe é florista. Temos uma boa vida financeira. Mas aí você se pergunta: “Porque sexo por dinheiro?” E eu vou te responder, meu amor: “Me excita!”

Perdi minha virgindade com 19 anos, com meu primeiro namorado. Estávamos juntos há quase 1 ano quando decidimos fazer sexo. Ele já havia tido duas outras experiências antes de mim, mas achei fofo que ele não forçou a barra e esperou. Mas isso não quer dizer que nunca havíamos feito alguma sacanagem. Eu já conhecia todo o seu corpo. Sabia cada detalhe dele, sabia do que ele gostava, mesmo não tendo feito o sexo em si, falávamos e fazíamos nossas sacanagens. Eu já conhecia o gosto de sua porra e ele falava  que eu tinha uma buceta com gosto de mel. E quando tudo finalmente aconteceu,   foi uma explosão de prazer. Foi num sábado ensolarado. Era temporada de verão aqui. Meu pai estava com o Bistrô aberto e minha mãe cuidando da decoração de um aniversário.

Chegamos em casa cansados e suados,  o dia estava mais quente que o normal. Passamos o dia jogando vôlei, alternando com banhos de mar e prancha.

A casa estava fechada, estávamos sozinhos. Ele começou a me abraçar, abriu o laço de meu biquíni nas costas, deixando meus seios soltos, colocou a mão por baixo do bojo e segurou com firmeza o bico do meu peito. Nessa hora estremeci de prazer, pensando em todas as próximas sensações que viriam. Em seguida ele me beijou, um beijo salgado e quente, nunca havia reparado na aspereza de sua língua. Desceu a boca para meu pescoço, me virou de costas com  força e precisão e estava beijando minha nuca, descendo a língua pelo valo de minhas costas. Tirou a calcinha de meu bikini, me virou de frente, me empurrou contra a parede e começou a fazer círculos de prazer com a língua em minha barriga até chegar em minha buceta, que já estava toda melada de tesão. Quando eu achei que não pudesse sentir ainda mais desejo e paixão ele colocou dois dedos alternados com sua língua. Até ali já havíamos estado em outros momentos. Mas eu sabia que hoje seria o dia de perder minha virgindade.

Novamente ele foi subindo com a língua pelo meu corpo, mordiscou o bico de meus mamilos, beijou minha boca em êxtase, meu pescoço e disse no meu ouvido: “agora é minha vez”. Eu já sabia como fazer, como eu disse, treinamos bastante antes. Estava com minhas pequenas mãos descendo pelo seu peito, descobrindo aquele corpo nu e lindo, desci até encontrar seu pau duro e intumescido. Fiz círculos com minha língua, descendo seu peitoral, passando pela barriga até chegar no seu pau. Mordisquei, chupei e lambi, tinha ainda o gosto de sal da praia, aquilo me deixou com mais tesão. Passei a língua entre seu pau e o ânus e ele pirou de prazer. Gemia, me apertava, puxava meus cabelos e quando achei que não haveria prazer maior, ele gentilmente me pegou em seus braços, subiu até meu quarto, enquanto fazia isso, me olhava nos olhos, e eu senti um fogo ardente de desejo, um desejo incontrolável, até aquele instante, nenhuma de nossas preliminares tinha sido tão intensa. Ele me deitou na cama. Enquanto me beijava com intensidade, abriu minhas pernas e arremetia devagar seu pau em minha buceta melada e ansiosa por um prazer maior. Senti seu pau entrando com um prazer inexplicável, não senti dor, senti desejo, paixão e em uma arremetida forte senti nossos corpos estremecerem juntos , senti sua porra sendo jogada dentro de mim, enquanto todo meu corpo estremecia num frenesi nunca visto antes. Ficamos abraçados, sentido o prazer, o calor, os corpos suados o sal nos cabelos, esperando o coração parar de acelerar.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s